segunda-feira, 2 de maio de 2011

A imprensa burguesa costuma se referir ao 1º de Maio como o dia "do trabalho" e não "do trabalhador". Este belo cordel de Nando Poeta, resgata a essência desse grande marco histórico da luta da classe trabalhadora contra a exploração capitalista. Nando nasceu em Natal, no Rio Grande do Norte, em 1962. Formado em Ciências Sociais, hoje ele reside na capital paulista, onde é professor e militante do PSTU.


Relembrar os mártires de Chicago


Neste primeiro maio relembramos os 125 anos das grande greves em Chicago, nos Estados Unidos, pela redução da jornada de trabalho de oito horas que foram sufocadas pela dura repressão policial e pela execução dos líderes operários que ficaram mundialmente conhecidos como os "mártires de Chicago".

"Oito horas para o trabalho, oito para o sono, oito para a casa" era o lema das mobilizações de então contra a vontade de empresários e governos que impunham jornadas de até 18 horas, ou mesmo mais em "casos de necessidade". No dia primeiro de maio de 1886, oitenta mil trabalhadores marcharam em Chicago pelas oito horas. A burguesia em pânico não poderia permitir manifestação tão indigna e desrespeitosa. Uma dura repressão foi armada com milhares presos e feridos. Os principais lideres foram condenados à prisão perpétua e cinco deles ao enforcamento.

Neste primeiro de maio rendemos nossa homenagem aos mártires de Chicago. 

0 comentários:

Postar um comentário