sábado, 3 de agosto de 2013





Somando-se às lutas que movimentaram o Brasil nos meses de junho e julho, na manhã de segunda-feira (29/07/2013), cerca de 100 moradores das ocupações urbanas Camilo Torres, Dandara e Eliana Silva ocuparam a Prefeitura de Belo Horizonte em protesto ao descumprimento do acordo que O Prefeito Márcio Lacerda realizou em reunião com @s representantes da Assembleia Popular Horizontal. Contrapondo o acordo - o qual explicitava que Lacerda receberia representantes das ocupações urbanas de BH, para regularizar a situação destas, além de não emitir nenhuma ordem de despejo - a reunião com as ocupações foi recusada pelo prefeito e nova ordem de reintegração de posse foi emitida.




A ocupação durou 32 horas, sendo que durante 11 horas @s ocupantes ficaram sem acesso às necessidades básicas, como alimentação e acesso ao banheiro. Por esse motivo e apoio à causa apresentada, cerca de 200 pessoas ocuparam as entradas da prefeitura ( Av.Afonso Pena e Rua Goiás).

Somente às 23 horas foi liberada a entrada de alimentos doados, mas ainda assim a Av. Afonso pena permaneceu interditada pela presença de barracas. Apenas às 14h da manhã do dia 30/09 @s representantes das ocupações urbanas foram recebidos pelo prefeito para uma reunião, em que ficaram acordados: a criação de uma comissão permanente de negociação, suspensão por prazo indeterminado das ações de reintegração de posse por parte da PBH, avaliação sobre a mudança do zoneamento das áreas das ocupações urbanas e uma reunião conjunta com o Governo do Estado e Governo Federal. Após as negociações @s manifestantes decidiram desocupar o prédio em clima de comemoração. 


Um dos problemas mais angustiantes da classe trabalhadora é a falta de moradia para uma parte considerável da população e as condições inadequadas de saneamento básico, água e luz. Além disso, segundo dados estatísticos (IBGE-2009), 1 em cada 10 famílias não têm onde morar ou não têm condições dignas de habitação. Esses dados demonstram o quão absurdo é o fato de que no Brasil ainda existam 7,2 milhões de imóveis vazios utilizados para a especulação imobiliária (IBGE- 2008).

A juventude do PSTU apoiou a ocupação da prefeitura de BH, assim como a luta das ocupações urbanas e movimentos por moradia. 

Viva às ocupações Camilo Torres, Irmã Doroty, Eliana Silva, Dandara, Vila Cafezal e Rosa Leão!
Regularização das ocupações JÁ!

Juventude do PSTU BH

0 comentários:

Postar um comentário